Por mais que eu busque informações sobre os destinos na internet e guias impressos, não abro mão de mais conteúdo e dicas quando chego ao local planejado. O
Centro de Informação Turística (CIT) existe nas cidades com um mínimo de potencial turístico, entretanto, muitos são precários ou há falta de recurso humano capacitado para tal função. Muitos CIT´s funcionam apenas com entrega de mapas e panfletos, todavia, alguns viajantes dependem somente deste recurso para aproveitar sua viagem.
O profissional que trabalha no Centro de Informação Turística (CIT) deve buscar organizar, interpretar e difundir informações, possibilitando aos turistas/viajantes tomarem decisões mais seguras, diminuindo os erros. Bingoooo!!!! No centro histórico de São Luis encontrei um CIT, totalmente equipado e melhor ainda, com um profissional altamente qualificado, o Sr. Marcelo.

CIT no centro histórico de São Luis, na Rua Portugal
Há dois CIT no centro histórico: um na Rua Portugal, ao lado da Casa do Nhozinho, e outro na Praça Benedito Leite, próximo a Igreja da Sé. Visitei os dois, porém o primeiro me chamou mais atenção, tanto na infra-estrutura quanto no atendimento.

Fomos recepcionados pelo turismólogo Marcelo, que após entregar um mapa local, nos deu uma verdadeira aula de história!  Conhecemos o significado do Bumba meu boi, como as festas tradicionais como o Carnaval e Junina eram comemoradas; as atrações a serem visitadas durante a manhã e/ou à tarde e muito mais.

Espaço climatizado e estruturado para receber o visitante.
Senta que lá vem a história…

A dança folclórica Bumba meu boi é um dos traços marcantes da cultura brasileira, ganhando destaque principalmente na região Nordeste. Representando um dos símbolos do Maranhão, o Bumba meu Boi é a união das culturas européia, africana e indígena.

Curiosidade: Você sabe como surgiu o folclore do Bumba-meu-boi?

Conta à lenda que Catirini grávida desejou comer uma língua de boi. Seu esposo Pai Francisco, invade a fazenda do seu patrão e rouba o boi de estimação. O animal muito doente é encontrado posteriormente pelo fazendeiro. O patrão enlouquece e convoca Pai Francisco e os índios para ressuscitarem o animal. Tudo é em vão! Em seguida chamam o Pajé, que realiza uma cerimônia e invoca o Cazumbá (metade humano, metade animal) então o boi finalmente é curado. O fazendeiro, ao saber do motivo do roubo, perdoa Pai Francisco e Caterini, encerrando a representação com uma grande festa.

Cazumbá – figura folclórica metade animal, metade humano
Figura do Bumba Meu Boi

Bem, não preciso dizer que fiquei encantada com tanta cultura não é? Pois bem, deixando a história de lado, Marcelo nos deu outras dicas:

- O ideal é visitar o centro histórico durante a semana, pois além de ser mais movimentadas (menos perigoso), algumas atrações /museus não abrem nos finais de semana.

- Melhor época para conhecer São Luís: sem dúvida, junho é o mês mais indicado. Época dos festejos juninos e período das cheias das lagoas nos Lençóis Maranhenses: unindo o útil ao agradável!

- Vida noturna: o centro histórico é uma boa pedida à noite durante a semana, Os chamados happy hours, tomam de conta! Tem para todos os gostos: samba, pagode, MPB, reggae. Vários barzinhos tocam música ao vivo. Se você tiver sorte (como nós), ainda assiste alguma apresentação folclórico-cultural nas praças. Fomos na sexta-feira e curtimos o Bar Canto da Cultura. Há quem prefira os barzinhos da Lagoa do Jansen, lá tem vários botecos maravilhosos. Ficam lotados aos sábados. Outra opção são os restaurantes e barzinhos da litorânea.

- Se você curte centro histórico é aconselhável reservar dois dias para o de São Luis, pois considerando a parada no CIT, nas lojas de artesanato, almoço e as principais atrações, fica difícil visitar tudo em um dia. A não ser que você não goste de visitas guiadas e aulas de história. Há muitos museus lá.

Infelizmente o centro histórico de São Luis não é preservado, há muita sujeira, mau cheiro, notamos que até os próprios moradores sentem-se envergonhados com a situação deste patrimônio. Não é para menos. Mesmo assim vale uma visita, aqui está guardada um pouco da história do nosso país e porque não dizer, de nós mesmo?


Deixe seu Comentário
  • Walter F Leite

    Estive aqui em Fevereiro e até fiz uma matéria para o blog vaconferir e me atentei mais para o lado do abandono dos prédios históricos e suas belezas arquitetônicas, veja:http://www.vaconferir.com/2011/03/sao-luis-capital-do-maranhao.html

  • Cinthia

    Incrível como alguém com conhecimento tem a capacidade de nos envolver ainda mais com o lugar visitado.

    Sem contar o quanto a gente aprende!!!

    Senti exatamente o mesmo na Ilha de Páscoa: encantamento!

    Ótimo post, Erika!

    bjs
    Cinthia
    @chileparacriancas.blogspot.com

  • Outros Ares

    Olá Walter,

    Realmente os prédios e monumentos do centro histórico estão mal preservados, no próximo post irei detalhar,mesmo assim acho que vale uma visita. Já fui conferir o teu post e deixei um recadinho :)

    Cinthia,

    Você disse tudo! Uma pessoa com conhecimento, sabendo repassar a informação faz você ver com outros olhos aquilo que aparentemente está desgastado e mal cuidado :)

    Conhecimento é tudo!

    Sua série sobre a Ilha da páscoa está imperdível!!!

    Beijos

    Érika Marques
    @vejaoutrosares

  • Lillian Brandão

    Oi Érika,

    Não sabia da história do bumba meu boi! Muito bacana!
    Vou ao Maranhão em Junho/2012 e estou lendo todos os seus posts do local. Tô adorando!

    Beijos,
    Lillian.
    @NerdsViajantes